Festas Religiosas e Culturais

Realizador do Projeto Instituto Popular do Recôncavo - IPR BAHI

Bom Jesus dos Navegantes

A tradicional Festa do Bom Jesus dos Navegantes, acontece há mais de 40 anos na Capital Baiana da Fé.A Comunidade de Nova Brasília se prepara para os festejos com o Tríduo tendo como Tema “ Bom Jesus dos Navegantes, Rocha firme de Fé”.A Festa do Bom Jesus dos Navegantes é Tipicamente organizada por pescadores , esposas e filhos.Juntos preparam a grande procissão fluvial e terrestre, onde os fiéis acompanham em barcas e lanchas, o andor ao longo do rio e pelas principais ruas da cidade, rezando, cantando benditos, bênçãos para este rio, onde milhões de vidas necessitam das suas águas.

Romaria negra

Frei Tomaz da ordem Franciscana, um conhecedor nato dos costumes e tradições dos hábitos e costumes dos negros afirma:

“ LENIBÉ FURÁME, assim o Bom Jesus é conhecido entre os negros da Bahia”.

É Venerado na forma de uma rocha, tamanha era a devoção dos negros em relação a milagrosa imagem do Bom Jesus.

Em Junho de 1888, milhares de negros vindos de todo o sertão da Bahia, após a abolição da Escravatura , a Lei Aurea ser assinada pela Princesa Isabel, uma multidão de negros chega a  Bom Jesus da Lapa em agradecimento pela liberdade.

Fazendo pouso no entorno da gruta, por oito dias seguidos, nesta cidade santuário, entoando louvores em Yorubá, cantando os benditos, fazendo suas rezas e oferendas, dando vivas, tocando maracás, tambores, pandeiros e chocalhos de cabaças com milho.

Gritando e dando glória Lenibê Furáme, a liberdade uma ação de graças.

O sino da Torres sagrada foi fundido com as moedas doadas pelos escravos ao Senhor Bom Jesus, durante a grande romaria dos negros, no ano de 1888, em agradecimento ao bom Jesus pela abolição da escravatura. Essa foi a forma encontrada pelo Monsenhor Turíbio Vilanova para perpertuar a oferta de gratidão de milhares de negros, através do sino, um som que ecoasse o grito de liberdade.

Bailes Pastoris

Em Bom Jesus da Lapa, os bailes pastoris, os ternos de reis, os reis do Boi, a mulinha de ouro e outros reis, foram introduzidos nas manifestações populares de Lapa, com a iniciativa de Don Candinha, da casa Paroquial em 1911, e pelo Cel. Osório da Rocha Porto em 1912.

No dia 06 de Janeiro, saiam pelas ruas da cidade, sem avisar e o povo acompanhava, e quando os donos menos esperavam, eram surpreendidos : “ ô Senhor dono da casa”!

As violas e tambores repicavam, anunciando a visita dos santos reis a lapinha do dono da casa. Depois saiam tirando reis em outras casas.

Diante do Menino Deus, repetiam os mesmos cantos, dançavam e em um ritmo frenético e contagiante, eram acompanhados por palmas e sapateados. Com uma mesa farta de iguarias caseiras e saborosas, com vários licores diferentes, com batidas e aguardentes, os foliões se fartavam.

A alegria da Folia dos santos reis amanhecia o dia, os foliões já se preparavam para o próximo ano, para que pudesse degustar novamente as iguarias dos santos reis.

Semana Santa

Sexta Feira da Paixão, logo ao romper do dia, milhares de lapenses e romeiros percorrem o caminho da via crucis. O Sacerdote puxa a procissão meditando nas estações, a paixão do Bom Jesus.

A via Sacra se inicia na porta da entrada da gruta, findando no cruzeiro no alto do morro.

A tarde dentro da gruta, na hora nona, o ritual de beijar a santa cruz com fé e devoção.